• Márcio Guerra

ELEIÇÕES NOS CLUBES

Por: Márcio Guerra


Um dos mistérios que envolve o futebol é o que motiva alguém a ser presidente se, em princípio, o cargo não é remunerado? Trago esse tema porque o nível de disputa para esse posto nos clubes de futebol tem sido cada dia mais tenso. Quer ver um ano tumultuado no seu clube é ano de eleição. Assim está sendo com o Botafogo e nesse final de semana, o que vimos no Vasco ultrapassa o limite do razoável. Aliás, o clube cruzmaltino é especialista em ter conflitos que sempre acabam na justiça comum. Depois do "reinado" de Antônio Soares Calçada, veio a ditadura de Eurico Miranda e passou a valer tudo pelo poder no clube.


Flamengo e Fluminense também não fogem a esse clima tenso. Se eles não ganham nada, porque tantos querem? Paixão? Até acredito que todos gostem dos seus clubes, mas, muitas vezes, gostam mais de si mesmos. Lutam pelo poder pela vaidade, não têm projeto para as entidades que se propõem a dirigir. Nesse final de semana, além de agressões, liminares, suspeitas de fraudes nas eleições do Vasco, vimos o atual presidente do Flamengo colocar mais uma mancha na história do clube.


As ligações espúrias com o governo federal, tentando e conseguindo vantagens até na quebra de contrato com a emissora que tinha a exclusividade de transmissão dos jogos estaduais e no brasileiro, já envergonhavam os torcedores do Fla. Agora esse presidente faz uma homenagem a apoiadores do presidente Bolsonaro, quebrando o caráter apartidário que deveria nortear sua gestão. Que interesses estão escondidos nesses cargos de presidente? Um bom tema para um bom jornalista esportivo investigativo trabalhar.