• Manuela Sá Pereira Costa

MULHERES QUE FIZERAM HISTÓRIA: Billie Jean King

Como a primeira personalidade dessa série, não poderia falar de outra pessoa. Sendo minha grande inspiração para a criação desse especial, Billie Jean King é uma ex tenista norte americana que definitivamente tem história.

Consagrada nos anos 70, a atleta ganhou um total de 39 Grand Slams, os maiores torneios do tênis mundial. Totalizando 12 vitórias de simples, 16 em dupla e 11 em duplas mistas, a tenista demonstra uma carreira extremamente consistente.


Vinda de uma família atlética, onde seus pais e seu irmão praticavam esportes, King começou a praticar tênis na quinta série, e treinava nas quadras públicas de Long Beach, Califórnia.


Desde o início ela almejava ser a número 1 do mundo, tendo até mesmo exposto esse desejo para sua mãe desde sua iniciação no tênis.


Emergiu como talento em 1958, com 15 anos, ao ganhar um campeonato de sua faixa etária, no sul da Califórnia. Aos 16 anos, em 1959, Billie se tornou atleta profissional.


Seu reconhecimento internacional veio em 1961, quando ela e Karen Hantze se tornaram as mais jovens atletas a vencerem o torneio em Wimbledon de duplas. Motivada pelo reconhecimento e seu desejo de ser a melhor do mundo, logo após essa conquista Billie iniciou uma rotina ainda mais intensa de treinos.


Em 1966 ela obteve seu primeiro título simples em Wimbledon. Repetiu o feito nos dois anos seguintes, junto a conquista do U.S Open simples em 1967 e o Australian Open, também simples, em 1968.


Como se ganhar em Wimbledon já não fosse incrível, também em 1966 ela conseguiu a sua maior e mais almejada conquista: ser ranqueada como número 1 do mundo no tênis feminino, posição essa que ela manteve por 5 anos: 1967,1968, 1971,1972 e 1974.


Para aumentar ainda mais a sua lista de conquistas, em 1972 King ganhou três dos quatro Grand Slams do ano: Roland Garros, Wimbledon e US Open.


E é claro que não poderia deixar de mencionar a sua postura admirável fora de quadra, tendo grande importância na luta pela igualdade no esporte:


Em 1973, Billie formou a associação chamada de “Women's Tennis Association”, que tinha como principal objetivo lutar pela igualdade e reconhecimento no tênis feminino. Teve como foco, inicialmente, tornar iguais os prêmios para os vencedores de torneios, visto que em um mesmo torneio o prêmio feminino chegava a ser $15,000 a menos que o masculino.


Sua campanha pela igualdade ficou mundialmente conhecida quando em 1974, o tenista Bobby Riggs, que alegava que o jogo das mulheres era inferior, a desafiou. Bobby disse que mesmo aos 55 anos seria capaz de derrotar qualquer mulher. King, para provar o contrário, aceitou o desafio e o venceu por 3 sets a 0. Tendo ficado conhecida como a “Batalha dos Sexos”, foi a partida de tênis mais assistida na história.

Billie também é conhecida por ser uma das primeiras tenistas a assumir a homossexualidade. Apesar de já se relacionar com mulheres antes, o fato veio a tona em 1981, e a fez perder todos seus contratos de patrocínio.


Ao longo de sua história, obteve ainda vários outros feitos. Em 1987 passou a fazer parte do Hall da Fama Internacional de Tênis. Além disso, tornou-se, em 2006, a primeira mulher a ter um complexo esportivo com seu nome. O complexo do US Open, em sua homenagem, passou a ser chamada de ”USTA Billie Jean King National Tennis Center”.


Em 12 de Agosto de 2009, recebeu a Medalha Presidencial da Liberdade, dada por Barack Obama. Essa honra civil foi recebida devido a suas expressivas lutas pelas mulheres e comunidade LBGTQ+.


Lutando até os dias de hoje por essas causas, Billie Jean é definitivamente uma mulher que entrou para a história, e deve servir de inspiração não só para nós mulheres, como para todos que admiram, jogam ou acompanham o mundo do esporte.

Se você, assim como eu, achou a história dela inspiradora, recomendo o filme "A Guerra dos Sexos".


Imagens: Google Imagens