• Márcio Guerra

TOLICES ESPORTIVAS

Por: Márcio Guerra

Existem algumas coisas que o futebol brasileiro incorporou ao seu repertório que beira ao ridículo. Um mais recente a tal "lei do ex". Os colegas cronistas esportivos, a cada rodada, repetem essa tolice, como se houvesse algo predestinado nos pés do jogador que enfrenta seu ex-clube, que o fará diferente. Um rodada com dez jogos, em um deles, um ex-atleta faz um gol em seu time anterior, lá vem a turma falando essa bobagem. E os outros jogadores que não marcaram contra seus ex-clubes? A outra grande ilusão que tentam plantar na cabeça do torcedor é o jogador que não comemora gol contra o time que defendeu antes. Como se isso realmente fosse sincero. Uma coisa seria você acreditar nisso em relação a um Zico, um Túlio Maravilha, um Roberto Dinamite, um Tostão, um Falcão. Desde quando o futebol se transformou num "negócio", invadido por empresários, essa história de beijo na camisa, de que sempre sonhou em jogar ali, que não comemorou o gol em respeito ao torcedor que o amava. Por favor, isso e história para boi dormir. A terceira, e talvez a mais grave, é a frase "nossa vitória é do Senhor Jesus". Desde que o futebol e a sociedade passaram a conhecer os tais "atletas de Cristo" acreditaram e passaram a tentar passar a ideia de que uma força Divina interfere no resultado de uma partida. Convenhamos, somente o fanatismo descabido religioso é que pode fazer alguém imaginar que alguém ache que Deus, que Jesus Cristo tenha um time de futebol ou escolha aquele que vai ganhar. 

O torcedor não é mais tão inocente ou iludido com essas tolices. Por favor, respeitem a sua inteligência.